A Noite do Puffle Zumbi #5

Hello people! Fefezinh digitando!

Peço desculpas por não postar o último capítulo ontem. Resumo? Visitas, confusão em casa, e um irmão que não queria dividir o computador comigo. :P 
Confiram a seguir o último capítulo da minissérie:

- E agora?? - diz Joaninha, olhando os zumbis se aproximarem.

- Eu tenho uma ideia...CORRAM! - grita Skine, e os 5 começam a correr para longe.

Longe dali...

- Vamos, estou morrendo de fome! - diz o primeiro zumbi. Mas Gui se aproxima e muda um pouco sua voz, a deixando mais rouca.

- Esperem, deixa eu ter a honra primeiro. - diz Gui. Um dos zumbis reclama. Mas o primeiro aceita.

- Ele é novato, deixa ele começar o banquete. - diz o zumbi. Gui se aproxima de Fefezinh com cuidado, e pega algo pequeno, com um cabo de madeira e uma lâmina afiada: uma machadinha, já meio enferrujada. Fefezinh arregala os olhos, e Gui sussurra: "Disfarce e faça o ataque assim que eu me afastar..". Fefezinh assente com a cabeça, e quando Gui se afasta, Fefezinh segura a machadinha com as duas nadadeiras e ataca um dos zumbis mais afastados do grupo, o fazendo cair com a cabeça cortada. A cabeça rola pela terra dura do cemitério. Os zumbis encaram Fefezinh, surpresos e depois com raiva.

- A agarrem! RÁPIDO! - grita um deles. Fefezinh e Gui logo correm pelo caminho liberado, desviando das lápides. Sorte que zumbis sempre são lentos. A cabeça do zumbi atacado tentava se mexer.

- Ei! Esperem por mim! - grita a cabeça, pulando. - Arf, arf, se eu tivesse feito mais exercícios ainda vivo...

- Obrigada pela ajuda, Gui! Tava precisando mesmo... - diz Fefezinh, correndo. - Mas como você se meteu entre os zumbis?

- Eu fui até perto de um bosque e lá havia um montão deles. Já que se eu fugisse ou me escondesse seria pego, tive que me disfarçar. Usei algumas coisas meio...nojentas que peguei dos túmulos, e assim...TARÃ! Pensaram que eu era um deles. E achei a machadinha presa em um tronco de árvore, obviamente abandonada.  - diz Gui.

- Já imagino o que você usou... - diz Fefezinh, fazendo cara de nojo. - Você tá mesmo com cheiro de morto. Irei te lembrar de tomar um banho quando sairmos daqui...

Niro ainda estava bem escondido atrás da lápide, e ao ver sua dona, pula feliz até ela. Fefezinh o abraça, feliz e aliviada.

- Me avise quando é o casamento. - diz Gui, rindo. Fefezinh começa a rir também.

- Engraçadinho....

Longe dali...

Joaninha, Skine, Jonnh, Kenny e o puffle zumbi corriam dos zumbis que o seguiam.

- Venham! Eu sei de um esconderijo! - diz Jonnh, e os leva até o depósito de caixões em que havia estado a pouco tempo. Eles logo entram e Jonnh bloqueia a porta com alguns caixões. Os zumbis, ao chegarem perto, batem com força na porta, que range alto e parecia quase se romper.

- Não acho que a porta aguentará muito... - diz Skine. Joaninha pega um pedaço de madeira afiado que estava por lá.

- Já chega. Se eles entrarem aqui, lidaremos com ele na marra! - diz Joaninha, decidida e balançando o pedaço de madeira acima da cabeça.

- Você tá doida?! Ser corajosa é uma coisa, mas ser estúpida... - diz Skine. Joaninha apenas o encara, mas ainda estava decidida. A porta começa a soltar pequenos pedaços de madeira, que caiam aos pés deles. Nadadeiras podres começam a ocupar os novos buracos na porta. - AIII! TEMOS QUE FAZER ALGO, RÁPIDO!

De repente o teto abre, fazendo algumas telhas e tijolos do teto quase caírem em cima de Jonnh, Joaninha e Skine. O buraco revela Fefezinh e Gui, com uma corda, que logo esticam até o chão do depósito.

- Subam, agora! - grita Gui.

- Gui, Fefezinh?! Tão bom ver vocês! - diz Joaninha, que começa a subir pela corda áspera e grossa. Skine sobe atrás dela. Jonnh pega sua mochila e carrega o puffle zumbi e Kenny dentro dela, então a bota nas costas e sobe na corda. Quando chega ao teto, a porta se rompe e os zumbis logo enchem o depósito. Em cima do teto espaçoso, os os 5 pinguins se afastam do buraco grande.

- Puxa...agora estamos segu.... - começa Fefezinh, mas eles logo olham que havia MILHARES de zumbis ao redor do depósito, e não havia nenhuma saída para eles visualmente. - Oh, não! E agora?

- Estamos cercados! Rápido, peguem alguma coisa que tenham como arma! - diz Jonnh. Fefezinh pega sua pequena machadinha, mas era mesmo impossível algo tão pequeno lidar com uma massa tão grande de zumbis. Joaninha mostra o pedaço de madeira. Mesma situação e razão para não usá-lo.

- Ok, estamos fritos... - diz Gui, até que Skine tem uma ideia.

- Esperem! Ouvi falar que fogo pode destruir os zumbis completamente. Poderíamos usar fogo! - diz Skine. - Joaninha, rápido, faça uma tocha com esse pedaço de madeira!

Joaninha pega duas pederneiras em sua mochila e faz fogo no pedaço de madeira, contendo o fogo com um pano branco preso nele. As chamas brilham.

- Mas se jogarmos nos zumbis, as chamas consumirão o depósito também! - diz Jonnh. - Temos que afastá-los!

- Mas como? - pergunta Fefezinh. O puffle zumbi sai da mochila e agarra a tocha improvisada com os dentes, tomando cuidado com o fogo. O puffle zumbi encara um local não ocupado por zumbis, e parece pedir para jogá-lo lá. Fefezinh e Gui parecem se assustar com o puffle, mas Jonnh faz um gesto para se acalmarem.

- Zombie é legal. - diz Jonnh.

- Caracas, você até deu um nome para ele? - diz Joaninha, dando risadinhas. Kenny olha "Zombie" ainda cheio de ciúmes. 

- É isso que você quer, amiguinho? - pergunta Jonnh. Zombie assente. - Ok, precisamos de algo para lançá-lo longe.

Skine e Fefezinh pegam uma tábua de madeira e uma pedra lá em cima do teto e fazem uma gangorra. Botam o puffle de um lado e abaixam rapidamente o outro. Zombie voa no ar, com as chamas se movimentando muito, e cai ileso ao lado de uma lápide branca, chamando a atenção dos zumbis. Os zumbis o seguem rapidamente, indo em direção ao bosque.

- Está funcionando! - diz Gui, radiante. Mas Joaninha nota algo assustador. Ela aponta o bosque brilhando por um momento, depois do último zumbi entrar bosque adentro. Os 6 descem do teto do depósito e notam o bosque pegando fogo!

- Oh não! - diz Fefezinh, e eles logo correm em direção ao bosque. O fogo logo engole as árvores com sua surpreendente agilidade, e como as árvores estavam bem juntas, o fogo não ia se espalhar para fora do cemitério. Olham o bosque sumindo lentamente, e então não restar nada além de árvores queimadas. Jonnh tenta entrar no bosque, mas Joaninha e Gui o seguram.

- Você não pode entrar ai! - diz Joaninha. - A temperatura com certeza está bem alta ai dentro!

- Mas e Zombie?! - diz Jonnh, desesperado e tentando ir no bosque recém-queimado. Jonnh começa a chorar.

- Ele deu a "vida" dele para nos salvar, mesmo sem nos conhecer direito... - diz Skine. - Isso sim é um ato de coragem.

Fefezinh tira seu capacete e o segura, como alguns parecem fazer, só que com chapéus, quando alguém morre. Mas então Gui nota uma massa esverdeada e suja saindo do bosque.

- Olhem! - diz Gui, apontando. Os outros veem Zombie saindo do bosque, meio sujo pelas cinzas, mas parecendo intacto. Zombie pula em cima de Jonnh, e lambe seu rosto. Jonnh começa a rir e acaricia o puffle zumbi. Kenny, olhando meio triste, ao tentar se afastar, logo é pego pelo Jonnh também, e ele abraça os dois puffles, bem felizes. Fefezinh olha as horas no relógio.

- São 23:55, sabem o que significa? - diz ela.

- Que o Halloween está quase acabando? - pergunta Joaninha.

- Isso mesmo. Isso quer dizer que terá que se despedir de Zombie, Jonnh. - diz Fefezinh.

- Mas, por quê? - pergunta ele, ainda segurando Zombie e Kenny.

- Os zumbis só ganham vida no Halloween. Então quando o Halloween acabar, ele voltará a ser apenas um cadáver. - diz Fefezinh. - Mas não se preocupe, no próximo Halloween poderá vê-lo de novo!

- Só no próximo? - diz Jonnh, triste, e então botando Zombie no chão, que sorri e começa a se afastar para uma colina no cemitério. Jonnh acena. - Tchau, Zombie.

Zombie sorri para os pinguins, e então desaparece na colina. Skine aponta para o portão do cemitério.

- Vamos embora, amigos.. - ele diz, e então os 5 pinguins atravessam o portão e deixam o cemitério para trás.

Uma hora depois...

- Desculpa por eu ter sido um babaca. - diz Gui, quando os 5 estão no iglu de Jonnh, todos vestindo um pijama. Niro brincava junto com Kenny.

- Eu que devia me desculpar, sabe? - diz Jonnh. - Tipo, por ter acertado sua cara e talz..

- Sem problemas. Sabia que existe massagem por meio de tapas? - pergunta Gui. Os dois riem, e Jonnh olha para Kenny, e faz carinho nele. O puffle sorri.

- Puxa, que noite né? - diz Joaninha. - E pensar que eu tava disposta a atacar zumbis com um pedaço de madeira... - Jonnh olha Joaninha. Embora com o cabelo bagunçado e sem maquiagem, ela ainda estava linda, e segura a nadadeira dela, disfarçadamente.

- Hey, gente! Que tal assistirmos a Noite do Trenó Zumbi? - pergunta Fefezinh, mostrando um DVD. Os outros franzem o rosto, até Niro e Kenny. 

- Acho que chega de zumbis por um tempo, né? - diz Skine, e todos riem.

E esse foi o último capítulo! Acabou rápido, mas não se preocupem! Tem série nova vindo ai! Arrivederci, my friends!

Histórias da Nanda

Atual redator(a) do Yeah Penguin. Seu papel é fundamental para o desenvolvimento de nosso blog!