A Noite do Puffle Zumbi #3

Olá pinguins! Fefezinh digitando!

Começa o terceiro capítulo de A Noite do Puffle Zumbi! No capítulo anterior nossos protagonistas acampam em um cemitério, e uma figura esverdeada os observa. Que figura será essa? Cliquem em "Continuar Lendo" para saber.

Jonnh dormia profundamente, sonhando com lasanhas flutuantes. Ele então ouve um barulho e abre lentamente os olhos. Ele reclama.

- Logo quando o sonho tava ficando bom... - diz ele, bocejando. - Kenny, é você?

Mas Kenny está dormindo perto dele, tendo um sonho provavelmente igual ao seu dono. Jonnh observa os outros dormindo e se levanta. Ouve o barulho de novo. O barulho de alguém se arrastando.

- Er...tem alguém ai? - sussurra ele, pegando uma lanterna e iluminando o local. Ele decide ir um pouco para longe de seus amigos, com cuidado. Ele, quando já estava longe, vê uma lápide ser derrubada e rachar. Ele toma um susto e ilumina a lápide, uma lápide toda coberta de musgo, velha e com um nome estranho gravado nela.

- "Glaciê Tubiê" - diz ele, lendo e logo soltando uma risada. - Credo, quem tem um nome assim?

Ele ouve então um barulho por trás dele, e nota algo verde se movendo entre as lápides. Parecia ter a forma de um puffle.

- Ei, amiguinho! Calma, não vou machucar você.. - diz ele, tentando achá-lo. Vê a coisa verde na sombra de uma árvore do cemitério, sem folhas. - Hey, não tenha medo.

Mas ao iluminar a coisa, Jonnh paralisa. Parecia ser um puffle, mas com certeza um puffle bem incomum: o puffle estava todo machucado, era todo de cor esverdeada, com olhos vermelhos. O puffle o encara, e então pula em cima de Jonnh. Jonnh cai no chão deitado, encarando o puffle, sem resposta. O puffle sorri, soltando um hálito fétido que cheirava a ovo podre.

- SOCORROO!!!!!! - grita Jonnh, batendo no puffle com a lanterna e o jogando longe. Jonnh se levanta e corre rapidamente para onde estavam os outros. - SOCORRO! PUFFLE ZUMBI, PUFFLE ZUMBI!

- Mas o quê.... - fala Joaninha, acordando e esfregando os olhos. Vê Jonnh se escondendo atrás de uma lápide. - O que houve, Jonnh?

- Ai...o que está havendo? - pergunta Fefezinh, bocejando. - Jonnh, ainda é de madrugada!

Skine e Gui acordam também, assustados.

- Ei, o que está acontecendo? - pergunta Skine. Jonnh treme e demora a falar.

- Puffle....puffle...PUFFLE ZUMBI! - diz ele, apontando para a árvore do cemitério onde encontrara o puffle.

- Puffle zumbi? Você deve ter visto um cadáver, só isso... - diz Fefezinh, tentando acalmá-lo.

- NÃO! Não era um cadáver, estava VIVO! - diz Jonnh. Joaninha começa a ficar preocupada.

- Vou ver se tem um "puffle zumbi" mesmo. - diz Skine, indo com Gui até perto da árvore. Mas eles não acham nada. O puffle zumbi havia sumido. - Ué, não tem nada aqui!

- Acho que já está óbvio o que está acontecendo aqui, né Jonnh? - diz Gui, irritado. - Esse bobão aqui quer nos assustar para a gente cair fora, mas isso não vai acontecer.

- Cara, eu nem quero seus doces! Para que eu iria querer mentir sobre isso? - pergunta Jonnh, já ficando irritado também.

- Por que você não quer ser o único medroso daqui, por isso! - diz Gui, se aproximando de Jonnh e apontando para ele. - Você sempre foi um medroso de primeira, sempre, sempre, sempre, sem...

Jonnh dá um soco no rosto de Gui, que logo cai, surpreso. Fefezinh e Skine logo se botam entre eles.

- Opa, calma lá! Sem brigas! - diz Fefezinh, assustada.

- Deixem esse negócio para lá. - diz Skine. - Seria bom a gente sair mesmo daqui. Estou com minha fantasia toda suja e já temos muitos doces mesmo.

- Estão vendo? ESTÃO VENDO? - diz Gui, se levantando e massageando o rosto machucado. - Ele está convencendo vocês! Pois ele não me convence, eu vou ficar aqui e vencer esse mané!

- Pois eu também vou ficar e provar que o medroso é ele! - diz Jonnh, e ele se afasta correndo com Kenny, tentando achando outro lugar para ficar. Gui se afasta também. Joaninha, Skine e Fefezinh ficam em silêncio.

- Ok.... - diz Joaninha. - O que acabou de acontecer?

- Uma briga infantil, isso que aconteceu. - diz Skine, suspirando. - Eles deviam se tocar que isso não vai levar a nada.

- Mas eles não vão se tocar... - diz Fefezinh, suspirando também. - Será que a gente ainda deveria ficar aqui?

- Vamos atrás deles. - diz Joaninha. - Fefezinh, vai achar o Gui, eu e Skine iremos atrás de Jonnh.

- Ok, mas vamos tomar cuidado, eles ainda devem estar com raiva. - diz Fefezinh, que vai junto com Niro na direção que Gui foi. Skine e Joaninha vão na direção de Jonnh.

Longe dali...

- Gui imbecil, idiota... - murmura Jonnh, irritado, andando entre o cemitério. Kenny estava ao lado dele o acompanhando, meio triste. - Relaxa Kenny, iremos achar um lugar bom, hmmm, ali!

Jonnh aponta para uma pequena construção de pedra, com uma porta de madeira velha. Jonnh abre a porta e revela vários caixões espalhados. Ele fica parado na porta, observando o lugar.

- Er....não é o lugar perfeito, mas dá para o gasto. - diz Jonnh, entrando com Kenny e estendendo o saco de dormir no chão. Ele pensa sobre o puffle zumbi. "Vai ver eles tem razão, não deve ter puffle zumbi nenhum. Deve ser alucinação." pensa ele.

Então ele ouve um barulho vindo dos caixões, e uma figura esverdeada entre eles. Ele grita.

- AHHHHHHHHHH! - Jonnh tropeça e derruba uns caixões, caindo dentro de um deles sem tampa. O puffle zumbi estava o encarando de novo, e se aproximando. - NÃO SE APROXIME, SAI PRA LÁ! - diz ele, atirando objetos de sua mochila no puffle.

O puffle desvia e chega perto de Jonnh. Pula em cima dele, o encarando. De fato, ele era muito fedido. O puffle então abre bem a sua boca.

- Não me devore! - grita Jonnh, mas então o puffle cospe algo. A sua lanterna, que ele havia esquecido perto da árvore. A lanterna estava toda coberta por uma gosma verde e grudenta. Jonnh olha surpreso para o puffle, que sorri e começa a lamber seu rosto, lhe fazendo cócegas.

- HAHAHAHA, para, para, isso faz cócegas, HAHAHA, para! - diz Jonnh, se levantando. Kenny olha tudo e pula até seu dono. Jonnh pega seu puffle pelas nadadeiras e faz um carinho no puffle zumbi, que sorria. - Até que você não é tão assustador assim. Preciso mostrar você a meus amigos!

Jonnh pega então sua mochila e sai da construção junto com seu companheiro colorido e com seu novo amigo.

Longe dali...

Fefezinh procurava Gui, já ficando sem paciência.

- Gui? GUI? Onde se meteu esse menino? - pergunta ela para si mesma, passando entre as lápides. - Esse lugar cheira muito mal! Vou vomitar aqueles doces que comi...

Ela ouve então um barulho baixo, mas persistente: coisas se arrastando. Ela se vira e ouve com atenção. Niro se esconde atrás de uma lápide, com medo.

- Olá? Gui, é você? - pergunta ela, sentindo suas penas se arrepiarem. Ela sente um cheiro horrível no ar. "Que cheiro de morto! Mas também, estou no cemitério, o que eu podia esperar?" pensa ela, até que alguém a agarra por trás, um dos donos daquele cheiro terrível. Ela grita, mas não pode fazer muita coisa, pois esse alguém a arrasta para um bosque perto do cemitério, junto de outros vultos também cheirando mal, um cheiro terrível de decomposição...

E esse foi o terceiro capítulo! Quem diria, um puffle zumbi! Eu não esperava por isso( na verdade, esperava sim, olha o nome da minissérie :P ). Quem será que me capturou? Brr, não quero nem saber. Mas caso queiram saber, esperem com paciência para o próximo capítulo. Arrivederci!

Histórias da Nanda

Atual redator(a) do Yeah Penguin. Seu papel é fundamental para o desenvolvimento de nosso blog!