A Noite do Puffle Zumbi #2

Hello people! Fefezinh digitando!

Aqui vai mais um capítulo de "A Noite do Puffle Zumbi". No capítulo passado nossos protagonistas decidem acampar em um cemitério na noite de Halloween, será que eles conseguem passar a noite seguros? Confiram a seguir:



Skine, Joaninha, Gui, Fefezinh e Jonnh se encontram bem no portão de um cemitério caindo aos pedaços. Joaninha nota que o portão estava trancado com um cadeado coberto de poeira.

- Olha só! - diz Joaninha, apontando o cadeado. - Cemitério trancado. Que pena, vamos embora.

- Espere ai, Jô. - diz Gui, pegando uma pequena chave de um de seus bolsos.

- Opa, onde arrumou isso? - pergunta Fefezinh, olhando a chave. Gui sorri, a enfiando na fechadura do cadeado.

- Segredos, querida. Profissionais nunca os revelam. - diz Gui, abrindo o cadeado e o jogando com força fora. Ele então abre o portão com um estrondo. Se revela uma sequência de pedras lisas e cobertas de musgo atrás de pequenos montinhos de terra acompanhados de flores, todas já mortas.

- Quer ir primeiro, cão sem dono? - pergunta Gui, olhando para Jonnh. Jonnh solta um resmungo e entra rapidamente no cemitério, carregando uma grande mochila, a sacudindo nas costas enquanto corre. Gui entra, olhando tudo. Os demais entram com receio.

- Não estou gostando nada disso... - diz Joaninha, olhando o cemitério velho e estremecendo.

- Relaxa, tudo sob controle. - diz Skine. Fefezinh olha Gui e Jonnh procurando um bom lugar para acampar.

- Com esses dois ai, nada fica sobre controle. - fala ela, suspirando.

- Achei um bom lugar! - grita Gui. Ele aponta para várias lápides formando um círculo, e um grande espaço no meio, com terra dura e fria. Jonnh joga a enorme mochila que ele carregava sobre Gui, que logo cai na terra. - AI!

- Ops, acidente, foi mal. - diz Jonnh, sorrindo, mas não ajudando Gui. Ele empurra a mochila de lado, irritado. Vê que a mochila está se mexendo.

- AI MEU PAI ETERNO! - diz Gui, jogando a mochila longe. A mochila, caindo na terra dura, se abre um pouco, e uma criaturinha de pelos coloridos sai dela, Kenny. Jonnh começa a gargalhar.

- Quem é a galinha assustada agora? - diz ele. Gui se levanta e vai para o grande espaço entre as lápides, em silêncio.

- Querem parar de brincar? - diz Fefezinh, ríspida. - Vamos terminar logo com isso.

- Relaxa Fefe, isso vai ser bem divertido! - diz Gui, sendo otimista. - Pense bem, estamos em um lugar com vários pinguins e outras criaturas mortas e já no além, não é emocionante?

- Para mim é assustador... - diz Joaninha. Kenny pula até seu dono, que estava arrumando o seu saco de dormir. Kenny entra no saco.

- Não, não, Kenny. Cai fora, é aqui que eu vou dormir. - diz Jonnh, mas Kenny recusa. Jonnh puxa o saco com força, fazendo Kenny cair, e Kenny agarra o saco com os dentes. Começa um pequeno cabo de guerra, até que o saco rasga pela metade. - Que droga, Kenny! E agora onde eu vou dormir?

- Pode ficar com meu saco. - diz Skine, dando seu saco de dormir. - Eu já estou bem esquentado nessa fantasia mesmo. - Jonnh pega o saco e agradece. Joaninha então pega um pouco de lenha e pedras e faz uma fogueira no espaço aberto. Ela assopra com força para sustentar as chamas.

- Boa, Jô! - diz Fefezinh, sentando e se esquentando no fogo. Joaninha sorri, fazendo seus dentes postiços de vampira aparecerem. A mochila de Fefezinh se mexe também.

- Deixa eu adivinhar... - diz Skine, olhando a mochila. Fefezinh ri e a abre, revelando Niro.

- É que Niro gostou tanto da ideia de acampar. - diz Fefezinh. - Além disso não me imagino dormindo sem ele.

- Ele é tão fofo! - diz Joaninha, fazendo carinho no puffle branco, que sorri.

Meia hora depois...

Depois de arrumar tudo, os pinguins encaram as chamas que crepitam sobre a madeira. Fefezinh puxa um saco de marshmallows brancos.

- Tarã! Que tal um pouquinho de doce nessa noite? - diz Fefezinh, pegando um graveto e enfiando um marshmallow nele, depois botando o marshmallow sobre as chamas. Quando o marshmallow fica pronto, ela o come, o saboreando. Ela tenta pegar mais marshmallows, mas o saco havia sumido. Logo vê Kenny e Niro se esbaldando com os doces. - Minha nossa, que gulosos!

- Hmmm, fogueira, marshmallows, acampamento. - diz Gui, pensativo e logo sorrindo. - Sabe o que seria bom agora?

- Dormir? - diz Skine, bocejando. Gui balança a cabeça, negando.

- Histórias de terror! - diz Gui, levantando as nadadeiras. - Para aumentar o clima, sabe?

- Sério isso? Você só vai piorar as coisas. E Joaninha já está dormindo, quer acordar ela? - diz Jonnh, apontando Joaninha em seu saco de dormir, respirando lentamente.

- Você se preocupa muito com ela. - diz Gui. - Ela é forte, relaxa. - Gui então sobe em uma lápide e pigarreia. - Hoje irei contar uma história de.....de....

- De como você come como porco? - diz Fefezinh. Os outros dão pequenas risadinhas, e Gui a encara.

- Calada. - diz Gui. - História de...já sei! Zumbis!

- Zumbis?! - diz Joaninha, acordando de repente. - Onde, onde?

- Não é nada Jô. - diz Jonnh. - Só o bobo aqui que quer contar uma história de zumbis.

- Pode contar. - diz Joaninha, interessada. Jonnh faz uma expressão de surpresa, e Gui começa a rir.

- Eu não disse que ela é forte?

10 minutos depois...

- E então o pinguim é devorado lentamente, e consumido pelas garras dos zumbis descontrolados e com fome infinita. - diz Gui. - Terminou!

- Argh, que história horrível! - diz Fefezinh, sentindo arrepios.

- Não vou dormir depois disso... - diz Skine, com um tom meio irritado. Gui agarra seu saco de dormir.

- Eu dormirei como uma pedra. BOA NOITE! - diz ele, se deitando rapidamente. Todos os outros se preparam para dormir. Fefezinh pega um travesseiro e dá para Skine.

- Para o caso de desconforto demais. - diz ela, sorrindo, Skine agradece e se apoia com o travesseiro em uma lápide. Fefezinh pega seu puffle e se aconchega no saco de dormir junto com ele. Os outros, ao se arrumarem em suas camas improvisadas, caem no sono na hora. Mas não percebem uma forma esverdeada atrás de um morro no cemitério, os observando curiosamente...

E esse foi o segundo capítulo! Quem será a tal forma esverdeada? Saibam no próximo capítulo amanhã. Arrivederci (caso não saibam, arrivederci é até logo em italiano :P)!

Histórias da Nanda

Atual redator(a) do Yeah Penguin. Seu papel é fundamental para o desenvolvimento de nosso blog!